Laço Inclusão em rodeio emociona tradicionalistas no Rodeio Crioulo do Piquete

LAJEADO | Promovido pelo Piquete Dom Ermilo, o laço inclusão emocionou quem esteve presente e participou do 2º Rodeio Crioulo Estadual do Piquete, realizado no Parque de Eventos Municipal. A modalidade, inédita em rodeios crioulos, teve o intuito de incluir pessoas com algum tipo de deficiência e fazer com que elas participassem do tiro de laço.
Conforme uma das organizadoras do evento, Adriane Welter Duarte (44), a ideia surgiu devido aos quatro graves acidentes sofridos pelo seu filho, hoje com 24 anos.
 
Dessa forma, ela e o marido, César, quiseram promover a inclusão e mostrar a importância de se debater as deficiências, criando ambientes e eventos para todas as pessoas.
Para Adriana, apesar de apenas dois competidores, o laço inclusão será realizado em todos os eventos do Piquete Dom Ermilo. "É um pontapé inicial para que outras entidades também façam. Trouxemos para a 24ª Região e esperamos ver nas demais", salienta.
 
Emoção e inclusão
 
A primeira edição do laço inclusão teve dois participantes. Rodrigo Loss (38) e Cássio Rafael Naue (38). Ambos foram aplaudidos e ovacionados pelos tradicionalistas.
Apesar de não ter uma família ligada ao Movimento Tradicionalista, Cássio conta que um vizinho o incentivou. "Ele tinha um cavalo e desde pequeno andava comigo. Eu acabei me apaixonando", relembra. Porém, a escoliose na coluna vertebral, que o acompanha desde o nascimento, muitas vezes acabou sendo um obstáculo. "Eu nunca caí, mas meus pais tinham receio. Ainda mais porque em 2017 eu tive câncer e o medo deles aumento", destaca.